sexta-feira, 20 de maio de 2016

Como ajudar seu filho a enfrentar o medo

Boa noite gente,

De uns tempos pra cá tenho percebido o Gustavo com alguns medos específicos. Um deles é altura, geralmente quando ele sobre em um brinquedo alto ele começa a tremer, e fica parado. Outro medo é quando toca a nossa campainha, e sobre esse eu não sei de onde veio ou porque. E o bendito medo de cortar o cabelo.

Então resolvi pesquisar sobre medos em crianças e achei uma matéria muito legal na net, é grande mais vale a pena a leitura. Vou deixar meu comentários em vermelho.



Como ajudar seu filho a enfrentar o medo

É normal uma criança pequena sentir medo. O nervosismo é um sentimento natural que nos ajuda a lidar com novas experiências e nos proteger do perigo. 

Alguns bebês e crianças pequenas têm medo de coisas bem específicas: insetos, cachorros, do escuro, de barulhos altos, como o do aspirador de pó. Outros têm medo de situações novas ou de encontrar pessoas novas. Boa parte desses medos desaparece conforme a criança sente-se mais segura de si e do ambiente ao redor. 

As dicas a seguir não vão fazer seu filho se livrar dos medos de uma hora para outra. Pode levar meses, até mesmo um ano inteiro, para que isso aconteça. Enquanto isso, é normal que ele fique obcecado por aquilo que o atemoriza, mostrando isso nas brincadeiras, nos desenhos ou nas conversas. É o jeito dele de lidar com a questão. 


Não despreze o medo que a criança sente

Não subestime os medos da criança, mesmo que pareçam bobos ou irracionais -- para ela, a coisa é bem séria e real. Evite sorrir ou fazer pouco da situação quando ela se mostrar assustada com uma sirene, um caminhão barulhento ou a descarga do banheiro, por exemplo. 

Mostre a ela que você entende como é ter medo de algo -- ela vai aprender que não há problema em sentir medo e que é melhor lidar com isso. 

Tentar simplesmente convencer seu filho de que não há motivos para ter medo terá o efeito contrário do que você quer. Dizer "Não se preocupe, não tem por que ter medo do cachorro" quase não tem efeito nenhum. Em vez disso, ofereça segurança: "Sei que você fica assustado com o cachorro. Vamos passar por ele juntos. Se precisar, pego você no colo". 

É claro que, depois, quando ele estiver mais calmo, você pode conversar sobre cães, mostrar livrinhos, tentar amenizar o temor sem recriminá-lo. 


Sobre a altura nós sempre tentamos mostrar que estamos ali, perto, sempre dou a mão pra ele ter segurança e depois digo: viu não tem porque ter medo a mamãe tá aqui. Ou quem esteja com ele.

Sobre a campainha eu realmente estava fazendo errado eu acho, sempre que toca ele grita e corre pela casa, geralmente eu digo que não tem porque ter medo e pego ele no colo. Vou começar agir diferente.

Na hora de cortar cabelo, nós vamos conversando, colocando vídeos no celular pra distrair, mais está bem complicado.




Use objetos de estimação

Pode ser legal usar algum objeto que o seu filho adora, como a fraldinha a que ele é apegado desde bebê, ou um velho bichinho de pelúcia, para ajudá-lo a enfrentar situações que o assustam. Objetos assim dão conforto a uma criança ansiosa, especialmente quando você precisa deixá-la, por exemplo, na creche ou na cama à noite, para dormir. 

Objetos de estimação também podem ajudar a criança na hora de enfrentar situações potencialmente assustadoras, como encontrar pessoas novas ou ir ao médico. Deixe-a fazer isso. Ela provavelmente vai parar de carregar o objeto para todo lugar por volta dos 4 anos, quando terá aprendido outros jeitos de se acalmar na hora do medo. 


E ai eu te falo, Gu não tem objeto de estimação, como eu faço rs.

Explique, exponha e explore

Uma criança assustada às vezes consegue superar o medo se você lhe der uma explicação simples e racional sobre o que está acontecendo. Por exemplo, se ela acha que vai ser sugada pelo ralo da banheira, você pode simplesmente dizer: "Águas e bolhas descem pelo ralo, mas crianças e patinhos de borracha não". Ou explique que a ambulância precisa fazer um barulho alto para que outros carros saibam que têm que sair do caminho. 

Para algumas crianças, uma demonstração pode ajudar. Seu filho pode ficar aliviado ao ver que o aspirador de pó suga migalhas, areia e sujeira, mas não consegue pegar o brinquedo dele ou os dedos do papai. 

Um passeio ao anoitecer pode fazer com que a noite pareça mais mágica do que assustadora. Seu filho treme diante da tesoura do cabeleireiro, deixe o profissional cortar uns fios de seu cabelo primeiro, para mostrar que não machuca. 

Se experiências passadas alimentam o medo do seu filho -- vacinas anteriores, que o deixam assustado na hora de ir ao médico --, procure usar o bom senso. Explique que a vacina dói no começo, mas que passa rápido e que depois vocês podem fazer algo bem divertido. A promessa de uma recompensa pode ajudá-lo a se distrair. 

Você também pode ajudar seu filho a aprender sobre coisas assustadoras de uma distância segura. Por exemplo, livros ou filmes em que há espíritos, feiticeiras e gatos pretos bonzinhos podem ajudá-lo a deixar de ter medo deles. Se o problema é com animais, experimente levá-lo a uma dessas fazendinhas em que dá para acariciar e alimentar os bichinhos. 


Outra sugestão é contar histórias animadas, onde o personagem, uma outra criança, enfrenta o medo e "sobrevive" sem problemas. Você pode inventar a historinha ou procurar livros que falem disso. 

Quanto a altura em brinquedos como eu disse nós damos a mão e o estimulamos a enfrentar o medo, e mostramos sempre que não há porque ficar assim, sempre estaremos perto até que ele se sinta seguro.

Sobre cortar o cabelo, estamos usando a tática do papai cortar primeiro e depois ele fica no colo dele pra cortar, da ultima vez já foi menos doloroso e com menos choro.



Resolva o medo junto com seu filho

Se seu filho tem medo de escuro, coloque um abajur no quarto dele ou deixe uma luzinha acesa à noite. Também experimente lhe dar um "guarda" para protegê-lo (como um bichinho de pelúcia de que ele goste), borrife o quarto com um spray "antimonstro" (um spray com água, mesmo) ou pronuncie frases mágicas para afastar visitantes indesejados -- levando a coisa a sério! 

Por meio de tentativa e erro, você e seu filho vão descobrir um jeito de ajudá-lo a ter mais sensação de poder e de controle sobre as coisas que o assustam. 


Use a brincadeira do faz-de-conta

Se seu filho tem muito medo do médico, experimente uma brincadeira de faz-de-conta que se passa no consultório (um kit médico de brinquedo pode ajudar). Algumas crianças se sentem mais confiantes quando vão ao pediatra levando seu próprio kit de médico. 

Cuidado para não associar a figura do pediatra ou do médico com punição à criança, ou com a vacina. Não diga: "Se você não puser esse casaco vou levar você ao dr. Fulano para tomar uma injeção". O pediatra e as vacinas devem ser vistos como algo que protege a criança, e não que está contra ela. 

O problema é com estranhos? Ele pode ficar menos assustada se brincar de conhecer pessoas novas com bonecas ou bichos de pelúcia. 


Não passe seus próprios medos para a criança

Se seu filho vir você suar aos cântaros porque tem uma aranha no quarto ou perceber certa tensão no ar quando você vai ao dentista, pode passar a temer essas situações também. Por isso, tente disfarçar e minimizar a sua própria preocupação. 

Mas não há problema em confessar ao seu filho que você não gostava de ir ao dentista quando era criança -- desde que você acrescente que ia assim mesmo, para manter os dentes bonitos e saudáveis. Isso faz com que a criança perceba que não está sozinha nessa empreitada e que você também aprendeu a superar algo assustador. 


Tenho pavor de aranhas, mais me contenho perto dele, mesmo assim eu digo: filho não mexe a mamãe tem medo.


Não exagere na proteção tentando evitar o medo a qualquer custo

Muitas vezes, a primeira solução que vem à cabeça para evitar o medo é eliminar qualquer coisa que possa assustar a criança. Daí vêm as historinhas em que o lobo da Chapeuzinho Vermelho é bonzinho, ou uma Branca de Neve só com anões, sem bruxa. 

Os especialistas explicam que os contos de fada tradicionais e até histórias modernas com elementos assustadores (como o filme "Monstros SA") podem ajudar a criança a superar a fase do medo. Os heróis e heroínas dessas histórias ensinam a criança a lidar com questões como o medo e a separação. 

Não existe receita. Só você conhece bem seu filho e sabe o que o perturba. Se achar que uma história ou um filme podem ser assustadores, converse com ele sobre o assunto. Às vezes, a criança pode ficar com medo de uma coisa aparentemente inofensiva, então não dá para protegê-la totalmente. 

E não se esqueça de que os telejornais frequentemente são piores que filmes de terror. Se quiser assistir ao jornal com seu filho por perto, mostre-se disponível para responder a perguntas. Fique de olho para ver se ele não está assustado -- aí é melhor mudar de canal ou sugerir outra atividade. 


No que você deve prestar atenção

Se o medo de seu filho interfere rotineiramente nas atividades normais do dia-a-dia -- ele não lava o cabelo porque tem medo de água ou não quer ir brincar lá fora porque acha os cachorros assustadores --, converse com o pediatra, especialmente se a situação se intensificar. A criança pode estar sofrendo de algum tipo de fobia ou um problema de ansiedade. 

Também é bom procurar o conselho do médico se seu filho fica aterrorizado a ponto de não conseguir ser acalmado.


Fonte: aqui

Achei essa matéria grande mais bem explicativa, e tem me ajudado muito nessa fase em que os medos começaram a aparecer.

Estou tentando mudar as abordagens e ajudar ele a entender o próprio medo e como perde-lo, mas não é uma tarefa fácil, e nem rápida.

E por ai as crianças tem medos? Como vocês estão lidando e ajudando eles?

Grande beijo e até já =*