quarta-feira, 16 de março de 2016

1 ano e nove meses ou 21 meses de Gustavo

Boa tarde meus amores,

E dia 13 meu pequeno completou 21 meses, ou 1 ano e 9 meses, e muita coisa tem mudado por aqui!

Pesquisei sobre a idade e achei muita coisa legal, meus comentários estarão em vermelho!!!

Como seu filho está crescendo

Querendo provar que já é gente grande, seu filho deve estar demonstrando interesse em ajudar nas tarefas domésticas, arrastar móveis e imitar o dia-a-dia da família com seus brinquedos. Por isso crianças dessa idade adoram mesinhas e cadeirinhas especiais, panelinhas e bonecos. Com ajuda, ele já consegue se vestir, lavar e secar as mãos ou escovar os dentes.  


O Gu já me ajuda a tirar as coisas do lugar para tirar pó, e me entrega de volta pra colocar no lugar, ama o aspirador de pó e já me imita na hora de ligar ele. Já sabe lavar as mãos e se esfrega no banho, além de escovar os dentes.




Começa a se aproximar agora a fase em que algumas crianças dão sinais de que estão prontas para abandonar as fraldas. Entre 1 ano e meio e 2 anos, a maioria delas começam a perceber que estão prestes a fazer xixi ou cocô. Prestando atenção, talvez você enxergue os sinais -- há crianças que agacham, outras que se escondem. Isso não quer dizer que seu filho esteja necessariamente pronto para tentar, mas mostra que ele está no caminho certo. 

Aqui o Gu começou a me avisar assim que acaba de fazer cocô, como disse em outro post já compramos o troninho e não estou obrigando ele a usar, mais sempre mostro e digo que cocô e xixi se faz ali. Quando ele vai ao banheiro com o papai sempre dá tchau pro xixi.

As noites ainda não são tranquilas na sua casa? Tente descobrir o que está interrompendo o sono do seu filho. Pode ser uma fase de pesadelos. Nesta idade começam a surgir os primeiros medos. 

Aqui eu realmente preciso entender o porque o Gú ainda acorda a noite, pelo menos uma vez.



Como fica sua vida: criando uma rotina
Teimosia é apelido! Junto com as famosas birras, a obstinação é marca registrada desta idade. Procure ceder em pequenas coisas -- o copo em que vai tomar água, a blusa que vai vestir. Mas deixe claro que há coisas que não dá para negociar, como um comportamento perigoso ou agressivo. 

Como é bom ler isso, Gustavo está hiper teimoso e birrento, fase difícil! Agora ele aponta a roupa que quer por, onde quer comer ou beber. E quando mostra algum comportamento "inadequado" é corrigido.

Procure criar horários mais ou menos fixos para as coisas mais importantes: a soneca diurna, as refeições e a hora de ir para a cama. A criança se sente mais segura (e mais conformada) com a rotina, e as coisas ficam mais fáceis para você também, porque acontecem automaticamente: você não precisa ficar planejando cada passo. 


Sempre tive rotina com o Gu, até porque cresci com uma rotina regrada e sempre me ajudou muito. Mais aos finais de semana acabamos cedendo um pouco. A hora de ir dormir já está tomando outra rotina, e vai ser assunto para outro post.



Como ensinar o bom comportamento

O objetivo da sua vida não precisa ser criar um filho obediente. O essencial é que ele saiba diferenciar o certo do errado, mesmo que não haja ninguém a quem obedecer. Por isso, não adianta só dar bronca quando a criança apronta. Nessa hora, tente transformar a situação numa oportunidade para ela aprender alguma coisa. 

Falar é fácil. Quando os pais estão nervosos (quando a criança bate ou morde, por exemplo), muitas vezes não há sangue frio que chegue. 

Veja algumas estratégias para usar no dia-a-dia: 

- Seja você tão educado e bonzinho quanto quer que ele seja. Crianças aprendem por imitação. 

- Olhe nos olhos da criança quando falar com ela (mesmo para dar bronca), e procure ser respeitoso, mesmo que esteja bravo. Faça o máximo para manter o tom de voz baixo. 

- Diga o que quer que ele faça, não o que não quer. Em vez de "Não fique em pé na cadeira!", prefira "É para ficar sentado". 

- Crie regras simples, e poucas. Não correr na rua e não bater são regras que crianças desta idade conseguem entender. Para diminuir os "Não mexe aí", tire as coisas frágeis do alcance. 

- Elogie sempre o bom comportamento. 


Tento sempre ser assim, mas como digo, aqui é maternidade real, e na hora do nervoso as vezes acabamos fazendo errado.


Novos medos

A imaginação do seu filho está cada vez mais ativa, e pode dar origem a novos medos. Alguns bem comuns são o medo de água e de insetos. Por mais que seu instinto seja dizer "Não precisa ter medo", evite menosprezar o que a criança está sentindo. 

Mostre que entende, dizendo algo como: "Sei que você não gosta desses bichinhos, mas até que este aqui não é tão assustador. Olha só como ele é engraçado!". Se o problema é a água do mar ou da piscina, incentive a criança a só molhar os pés, mas não force. 

E, claro, disfarce ao máximo na frente dele se você tiver aflição de insetos também! 

Um dos jeitos de a criança se sentir segura é seguir uma rotina fixa, com hora mais ou menos certa para comer e dormir. Os rituais noturnos funcionam para amenizar a resistência dele na hora de ir para a cama. 


Tenho percebido que o Gu se assusta as vezes, mais ele é mais curioso do que tem medo rs.


Alguém viu um macaco?

Agora que seu filho já anda, ele quer testar novas habilidades. Trepar em qualquer coisa é superlegal, porque o faz se sentir mais alto. Há crianças que são incríveis escaladoras, quase alpinistas. Para canalizar essa energia toda, procure parquinhos seguros, de forma que ele possa explorar os novos movimentos com menos risco de se machucar numa queda. 

Se encontrar uma mureta baixa, dê a mão ao seu filho e o deixe se equilibrar. Ele vai adorar a brincadeira, e vai fazer você cansar de ir e voltar. 


Ah vá, Gustavo ama escalar qualquer coisa que tenha na frente, me deixa de cabelos em pé.


Aposentadoria para a mamadeira

Você já pode começar a pensar em trocar a mamadeira pelo copo, pelo menos nas bebidas durante o dia. A mamadeira mais difícil de largar é a da hora de dormir, por isso pode deixá-la por último. O ideal, no entanto, é que você consiga escovar os dentes da criança depois da mamadeira da noite. 

Não é tarefa fácil, porque muitas crianças são dependentes da mamadeira para dormir. Mas tenha isso como sua meta para algum momento no futuro. Talvez você possa fazer mudanças no ritual da hora de dormir para incluir a escovação.


Durante o dia ele mesmo não quer mais o copo de transição, mais para o leite ele ainda pede pela mamadeira, e dorme com ela.





Mais confortável longe dos pais

Talvez você tenha notado que seu filho está um pouco mais acostumado a ficar longe dos pais. Pode ser que ele consiga passar um tempo perto do vovô, conversando. O desenvolvimento da fala ajuda muito nesse processo. Sabendo se expressar, a criança se sente mais dona da situação. 

Mas ela ainda exige muito sua atenção e seu carinho. Caso ela seja muito grudada em você, dá para fazer uma brincadeira. Explique que vai sair do quarto por um minuto e marque o minuto no relógio. Então volte (fazendo festa!). Vá aumentando o tempo aos poucos, até que ela tenha a certeza de que você sempre volta. 

Se você mostrar fotos de parentes, seu filho vai reconhecê-los, e alguns conseguirão até dizer o nome deles. Também já sabe se reconhecer numa foto recente. 

Mais ou menos nesta idade, as crianças também começam a se referir a si próprias, usando o pronome "eu" ou o nome delas. 

Ele ainda só quer saber de falar não? Procure reformular o jeito de dizer as coisas. Em vez de dizer: "Vamos comer este macarrão gostoso?" (um convite ao "não"!), diga: "Olha só, está na hora de comer o macarrão gostoso!". 


Sim aqui o Gu tem ficado bem melhor com os avós longe da mamãe e papai, mais ainda não deixei muito tempo confesso. Ele já pega as fotos e mostra a mamãe, papai, Gu e os vovôs, até o tio mais esse ele ainda não sabe falar. 


Atento a todos os detalhes

Seu filho já sabe identificar várias partes do corpo (pergunte a ele "cadê a barriga?" e ele vai mostrar) e dizer o nome de algumas. A novidade é que agora pode ser que ele consiga mostrar as partes do corpo de uma boneca, por exemplo. 
Acho lindo quando perguntamos e ele mostra certinho as partes do corpo.

Se algumas crianças morrem de medo de insetos e outros bichinhos, há aquelas que ficam fascinadas por eles (não se surpreenda se seu filho tentar comer um tatu-bola). Um dos motivos é que agora a criança já tem coordenação motora suficiente para se abaixar e pegar objetos bem pequenos. 
Gu é fascinado em todos os insetos, morro de medo e ele pega e traz pra mim lógico rs.

A paciência para olhar um livrinho está aumentando. Aproveite e brinque com seu filho, pedindo a ele que ache na página um desenho pequeno, como uma borboleta. Vá dizendo o nome das coisas, principalmente os objetos do dia-a-dia e as partes do corpo, coisas que atraem bastante o interesse nesta fase. 
O Gu sempre gostou de livros, e faço isso com ele desde pequeno, mais agora ele realmente tem mais paciência, fica mais tempo concentrado e até tenta na lingua dele nos contar a história.

Musiquinhas com movimentos de mão associados (como a da "Dona Aranha" ou o "Tra-la") também vão agradar ao seu filho, e ele pode até começar a imitar você. 

Já pequei ele imitando as danças que vê na tv, e nos imitando também.





Então gente por aqui o desenvolvimento está assim, correndo tudo bem, e até demais, ele é hiper arteiro, super ativo, e mega curioso.

E por ai como estão as crianças?

Grande beijo e até já =*